Substância psicodélica Ibogaína vem sendo testada como um potencial tratamento anti-dependência

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
A Ibogaína é o princípio ativo presente na raiz de uma planta africana chamada Iboga, que pode ser usada para desintoxicar o corpo e a mente, ajudando no tratamento contra o uso das drogas, mas que produz grandes alucinações, e que é usada em rituais espirituais na África e na América Central. (Foto: Reprodução/Canex)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Canex

Estima-se que cerca de 100.000 pessoas morrem de overdose de drogas nos Estados Unidos a cada ano. A maioria dessas mortes está relacionada ao uso de fentanil prescrito e ilícito – um opioide poderoso usado como analgésico. A mortal epidemia de opióides na América do Norte deixou pesquisadores e legisladores em busca urgente de soluções – e uma pode vir de uma fonte improvável.

A ibogaína é uma substância psicodélica derivada do arbusto iboga, nativo da África Ocidental. O arbusto tem sido historicamente usado como um auxílio ritual por membros da religião Bwiti no país africano do Gabão. No entanto, um crescente corpo de evidências – tanto anedóticas quanto cada vez mais clínicas – sugere que a substância pode ser útil para combater o vício em drogas, incluindo heroína e outros opioides.

Delix Therapeutics, startup com sede em Massachusetts, tem a missão de transformar os análogos não psicodélicos de poderosos alucinógenos em medicamentos que podem tratar uma série de distúrbios psiquiátricos e neurológicos. A empresa trabalhará com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas (NIDA) para testar sua versão patenteada da ibogaína quanto ao seu potencial para tratar uma variedade de transtornos por uso de substâncias.

O cofundador e diretor de inovação da Delix, David E. Olson PhD, disse em um comunicado: “Os resultados pré-clínicos publicados na  Nature  no ano passado demonstraram que DLX-7 (um dos novos compostos patenteados da empresa) reduz o álcool e a heroína. buscando comportamento, e estamos entusiasmados em colaborar com o NIDA para avaliar ainda mais seu potencial como um novo tratamento para o vício em uma variedade de substâncias e modelos.”

Embora a ibogaína tenha provado ser um produto químico potencialmente útil para o tratamento de várias condições de saúde mental, efeitos colaterais como causar arritmia cardíaca (batimento cardíaco irregular) e uma experiência psicodélica frequentemente intensa.

É por isso que Olson, que é professor da Universidade da Califórnia em Davis, modificou a molécula da ibogaína. Este análogo modificado, Delix-7, não é psicodélico e não causa arritmia cardíaca.

Como o interesse no potencial terapêutico e médico dos psicodélicos, em geral, continua a crescer, um laboratório contratado pelo programa Addiction Treatment Discovery de Nida conduzirá testes pré-clínicos para determinar as propriedades farmacológicas, farmacocinéticas e toxicológicas do composto de Delix.

Se os estudos pré-clínicos e os estudos em animais mostrarem resultados favoráveis, o Delix supostamente solicitará à Food and Drug Administration dos EUA o lançamento de testes clínicos em humanos.

O ensaio é o mais recente de uma série de estudos com o objetivo de avaliar a terapêutica de substâncias psicodélicas para o tratamento de várias condições de saúde mental, incluindo depressão, ansiedade e dependência.

Relacionados

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese