Professor de Ohio diz que pequena dose diária de cannabis pode fazer bem às pessoas mais velhas

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
A escolha da cannabis a ser consumida, que pode ser potencialmente positiva ou negativa para a saúde, parece estar associada à idade (Foto: Andrea Piacquadio/Pexels)

Parece que apenas uma única tragada de cannabis por dia “é necessária para produzir um benefício significativo” em cérebros mais velhos, sugere um membro do Comitê Consultivo de Cannabis Medicinal do Governo de Ohio.

A moderação parece ser a melhor abordagem para os consumidores de cannabis à medida que envelhecem, como afirma Gary Wenk, professor emérito de neurociência comportamental, em um artigo publicado na última sexta-feira na Psychology Today.

>>> Cânhamo está na nova coleção de roupas de Marina Ruy Barbosa

A escolha da cannabis a ser consumida, que pode ser potencialmente positiva ou negativa para a saúde, parece estar associada à idade, sugere Wenk.

Ele enfatiza que, como qualquer outra droga, a cannabis nem sempre é benéfica ou sempre prejudicial. “No início da vida, o cérebro em desenvolvimento não consegue tolerar a manipulação dos receptores de cannabis em suas células-tronco. Se as células-tronco forem expostas à cannabis, o desenvolvimento normal do cérebro é prejudicado e as consequências podem durar até a idade adulta”, afirma Wenk.

>>> Pacientes com lesão cerebral que consumiram cannabis passaram menos tempo em tratamento intensivo, afirma estudo

Contudo, mais tarde, a erva “pode ​​estimular a atividade das células-tronco e proteger o cérebro da inflamação”, diz o documento.

Mas uma grande quantidade de cannabis não é necessária para obter benefícios à saúde, afirma Wenk, observando que “apenas uma única tragada por dia é necessária para produzir um benefício significativo”.

A idade da primeira exposição à planta parece ser muito importante. Por exemplo, o cérebro pré-natal é muito vulnerável à presença de cannabis, escreve Wenk, citando resultados do Estudo do Cérebro Adolescente e Desenvolvimento Cognitivo (ABCD).

“Este estudo sugere que a exposição pré-natal à cannabis e seus fatores correlacionados estão associados a um maior risco de psicopatologia durante a meia infância”, observa o resumo do estudo. O uso durante a gravidez não deve ser feito.

A preocupação com o uso também é crescente durante a adolescência, sugere o professor. “No geral, a evidência disponível indica que o cérebro do adolescente ainda é vulnerável aos canabinoides exógenos”, observa ele, acrescentando que “essencialmente, a cannabis altera a trajetória normal de maturação do cérebro, embora as consequências pareçam ser menos graves do que as da exposição pré-natal.”

>>> Vendas globais de cannabis para uso adulto devem crescer 376% até 2025

Há menos preocupação com o uso de cannabis durante a meia-idade, com alguns estudos indicando que seu uso regular tem pouco impacto no desempenho cognitivo em pacientes mais velhos com dor crônica.

Embora não haja uma resposta definitiva sobre se o efeito da cannabis é ou não dependente da idade, Wenk se pergunta qual o papel que a neurogênese pode desempenhar.

“As células-tronco sofrem neurogênese e dão origem a novos neurônios todos os dias”, escreve ele. Embora crítica para o desenvolvimento do cérebro desde o pré-natal até a adolescência, a neurogênese começa a declinar por volta da meia-idade e está quase ausente quando você está pronto para se aposentar, talvez por causa dos níveis aumentados de inflamação cerebral que vem com o envelhecimento. “Pesquisas em meu laboratório demonstraram que uma baixa dose diária de cannabis pode reduzir significativamente a inflamação do cérebro”, o professor acrescenta.

Fonte: Angela Stelmakowich/The GrowthOp

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER