O uso de cannabis por adolescentes despencou em 2021, concluiu um novo estudo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pexels/Helena Lopes)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Canex

De acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas, uma pesquisa recente de comportamentos de uso de substâncias e atitudes relacionadas entre alunos da oitava, décima e décima segunda séries nos Estados Unidos mostrou um declínio significativo neste ano.

No que diz respeito ao uso de cannabis, a porcentagem de alunos que relataram ter usado a substância (em todas as formas, incluindo fumar e vaporizar) no último ano diminuiu em todos os grupos analisados.

Os dados mostram que 7,1% dos alunos da oitava série relataram usar cannabis no último ano em 2021, em comparação com 11,4% em 2020.

O mesmo declínio ocorre com os alunos do 10º e 12º ano, já que 28,0% e 35,2% dos alunos do 10º e 12º ano relataram usar cannabis no último ano em 2020, respectivamente. Isso teria caído para 17,3% e 30,5% em 2021.

Nora Volkow, MD, diretora do NIDA, disse: “Nunca vimos diminuições tão dramáticas no uso de drogas entre adolescentes em apenas um ano. Esses dados não têm precedentes e destacam uma consequência potencial inesperada da pandemia COVID-19, que causou mudanças sísmicas na vida cotidiana dos adolescentes.

“No futuro, será crucial identificar os elementos essenciais do ano passado que contribuíram para a diminuição do uso de drogas – seja relacionado à disponibilidade de drogas, envolvimento da família, diferenças na pressão dos pares ou outros fatores – e aproveitá-los para informar os esforços de prevenção futuros.”

Descobertas anteriores  de uma pesquisa diferente apoiada pelo NIDA, conduzida como parte do Estudo do Desenvolvimento Cognitivo do Cérebro do  Adolescente (ABCD) , mostraram que a taxa geral de uso de drogas entre uma coorte mais jovem de pessoas de 10 a 14 anos permaneceu relativamente estável antes e durante o primeiro seis meses da pandemia COVID-19.

No entanto, os pesquisadores detectaram mudanças nas drogas usadas, com o uso de álcool diminuindo e o uso de produtos de nicotina e aumentando o uso indevido de medicamentos prescritos.

Adolescentes que passaram por estresse, depressão ou ansiedade severos relacionados à pandemia, ou cujas famílias passaram por dificuldades materiais durante a pandemia, ou cujos próprios pais usam substâncias, tinham maior probabilidade de usá-las também.

Richard A. Miech, PhD, autor principal do artigo e líder da equipe do estudo Monitorando o Futuro da Universidade de Michigan, acrescentou: “Além de olhar para essas quedas significativas de um ano no uso de substâncias entre os jovens, o real benefício da pesquisa Monitorando o Futuro é nossa capacidade única de rastrear mudanças ao longo do tempo e ao longo da história.

“Sabíamos que os dados deste ano iluminariam como a pandemia COVID-19 pode ter impactado o uso de substâncias entre os jovens e, nos próximos anos, descobriremos se esses impactos são de longa duração à medida que continuamos rastreando os padrões de uso de drogas desses cortes únicos de adolescentes.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese