Legisladores mexicanos garantem que projeto de lei sobre a maconha será aprovado até o final do ano

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Os legisladores mexicanos dizem que um projeto de lei sobre a maconha será aprovado no atual período legislativo, mas eles fizeram muitas promessas semelhantes no passado. (Foto via Ricardo Monreal Avila)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Mugglehead

Os principais legisladores do México continuam a garantir que a lei sobre a cannabis do país, há muito adiada, será aprovada até o final de dezembro, quando termina o atual período legislativo. Enquanto isso, ativistas estão tentando resolver o problema por conta própria, propondo um estatuto para o consumo de maconha em espaços públicos.

Na segunda-feira, o presidente do Senado, Ricardo Monreal Avila, do partido governista Morena, disse que durante uma reunião do Conselho de Coordenação Política ele e seus colegas concordaram em priorizar a lei da cannabis, e sua intenção é aprová-la no próximo mês.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Mas não é a primeira vez que o político expressa intenção de avançar com a legislação.

No mês passado, Monreal disse em um comunicado que a legalização levaria a expurgos recordes para pessoas acusadas de crimes menores de cannabis, e como a planta poderia gerar receita fiscal de US $ 1,1 bilhão.

Em setembro, o senador Julio Ramon Menchaca Salazar disse durante uma reunião plenária que a lei da maconha seria finalizada no próximo período das sessões legislativas, após a Comissão de Saúde discutir o projeto.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Ativistas propõem regulamentações ‘sociais’ para vaporizar em espaços públicos

Em 4 de novembro, o proeminente grupo ativista Plantón 420 organizou uma manifestação pacífica onde ativistas da cannabis caminharam da Suprema Corte ao Congresso para lembrar aos legisladores que seus direitos ainda não estão sendo cumpridos.

“No nível federal, ainda não temos resposta às nossas quatro demandas básicas de direitos humanos. Portanto, estamos pensando em continuar a exercer livremente nosso direito ao protesto pacífico, cultivando e fumando silenciosamente, como temos feito desde 2019 ”, diz uma declaração recente do grupo.

O grupo ativista explicou que, sem uma modificação na Lei de Cultura Cívica da Cidade do México, a polícia pode deter qualquer pessoa que use maconha, apesar da Suprema Corte declarar que o uso de maconha não é um ato criminoso.

A declaração também menciona como o consumo de cannabis é mais “escandaloso” a nível social, embora tenha propriedades medicinais e seja menos perigoso que o tabaco.

“Recebemos esse tratamento injusto e indigno da lei, simplesmente porque as pessoas não gostam do cheiro da planta ou da ideia de consumi-la, além de estigmas e preconceitos de um ‘cidadão ficando chapado’ e não porque a pessoa está infringindo seus direitos.”

Plantón 420 propôs as seguintes oito diretrizes para o consumo responsável de cannabis em espaços públicos:

  • 1. representam o uso responsável de cannabis para evitar a perpetuação de estigmas negativos em torno dos usuários;
  • 2. usar áreas designadas para fumantes, como áreas de consumo de tabaco;
  • 3. não fumar perto de crianças ou parques infantis;
  • 4. estar atento às emissões de fumaça para evitar incomodar outras pessoas;
  • 5. nenhuma venda ou compra de cannabis em espaços públicos;
  • 6. não jogue pontas no chão e mantenha os espaços de consumo limpos;
  • 7. não espere que as pessoas compartilhem ou ofereçam maconha, pois as taxas da Covid ainda são altas; 
  • 8. use o antebraço para cobrir a boca ao tossir em uma área de consumo.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Desde 2018, o Supremo Tribunal Federal declarou o consumo de cannabis um direito humano e exigiu que os legisladores fizessem uma lei, um processo que já não cumpriu vários prazos.

No lugar da legislação legal sobre a cannabis, os ministros modificaram artigos da lei geral de saúde para eliminar a proibição administrativa da cannabis e promulgaram uma declaração de inconstitucionalidade em 15 de julho.

Entre as modificações, os cidadãos mexicanos agora devem obter uma licença da Comissão Federal de Proteção contra Riscos à Saúde (COFEPRIS) e, se não, estão sujeitos a prisão e processo judicial.

Veja também

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER