Hospitais da Califórnia agora permitem cannabis para pacientes terminais

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pexels/RODNAE Productions)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Ganjapreneur

Uma nova lei na Califórnia que permite que pacientes terminais recebam cannabis medicinal em hospitais entrou em vigor em 1º de janeiro, informa o North Bay Business Journal . “A Lei de Acesso Compassivo à Cannabis Medicinal”, ou “Lei de Ryan”, foi assinada pelo governador Gavin Newsom (D) em setembro.

De acordo com a lei, não é permitido fumar ou vaporizar cannabis em hospitais. Além disso, há proteções na lei para hospitais e cuidadores que podem estar preocupados com o conflito que o projeto de lei tem com a lei federal, onde a cannabis permanece ilegal como um narcótico da Classe I, de acordo com o relatório.

Esses conflitos levaram à cautela de executivos de hospitais e outros profissionais de saúde. Jan Emerson-Shea, porta-voz da Associação de Hospitais da Califórnia, disse ao jornal que a organização “se opôs a isso no início”, descrevendo a questão como um “enigma para os hospitais” em vez de uma questão de lei federal ou eficácia.

“(Os hospitais são) obrigados a estar em conformidade com a lei federal (sob) os regulamentos do Medicare.”  Jan Emerson-Shea via Journal

Embora o patrocinador do projeto, o senador Ben Hueso (D) esteja trabalhando em um “projeto de limpeza” e tenha incluído uma cláusula de “porto seguro” na legislação original, que permite que um hospital suspenda imediatamente o programa se houver suspeita de qualquer intervenção federal, não está claro quantos hospitais e unidades de saúde vão assinar o programa. Deborah Pacyna, porta-voz da Associação de Instalações de Saúde da Califórnia, disse ao jornal que “ninguém avançará” até que haja mais esclarecimentos.

Hueso acredita que o risco de intervenção federal é “pouco ou nenhum” e as unidades de saúde “têm a autoridade necessária para implementar” o projeto.

A legislação recebeu o nome de Ryan Bartell, que morreu de câncer no pâncreas. Seu pai, Jim Bartell, começou a fazer lobby pela mudança depois que viu o quanto a cannabis havia melhorado o fim da vida de seu filho. Bartell espera que a nova lei ajude “milhões de famílias”.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese