Estudo aponta potencial analgésico de terpenos encontrados na cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Créditos da imagem: Unsplash/David Cardinez)

Por João R. Negromonte

Os terpenos encontrados na cannabis e em outras plantas, podem reduzir a dor crônica ao interagir de maneira única com os canabinóides e outros receptores no cérebro.

Isso, de acordo com um estudo publicado na Pubmed (um motor de busca de livre acesso à base de dados MEDLINE de citações e resumos de artigos de investigação em biomedicina, oferecido pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos), que descobriu que os terpenos α-terpineol, ß-cariofileno e γ-terpineno ativam os receptores canabinóides CB1 e CB2 de maneira que reduzem a dor crônica causada por danos nos nervos, que é chamada de dor neuropática.

Os terpenos foram particularmente eficazes na reversão da alodinia mecânica, caracterizada por extrema sensibilidade ao toque, bem como hiperalgesia térmica, uma alta sensibilidade à temperatura. Essas são condições comuns entre pessoas com dor neuropática.

Os resultados sugerem que novos analgésicos seguros podem ser feitos pela combinação desses terpenos em altas doses, explicam os cientistas.

Ao fazer experiências em ratos geneticamente modificados, os pesquisadores da Universidade da Flórida descobriram que o ß-cariofileno ajudou a atenuar os sintomas, ativando os receptores CB2. Eles descobriram que o γ-terpineno acalmou os sintomas ativando os receptores CB1.

Surpreendentemente, o α-terpineol não precisou interagir com os receptores canabinóides para ter efeitos positivos. Os pesquisadores dizem que mais investigações são necessárias para medir os efeitos em outros receptores não analisados ​​neste estudo.

Outra pesquisa mostrou que as substâncias que visam especificamente os receptores CB2 não produzem alívio imediato da dor, nem diminuem a temperatura corporal ou o movimento, mas o ß-cariofileno produziu os três efeitos. Isso significa que o terpeno tem vários alvos de receptor, explicam os pesquisadores.

No geral, os terpenos foram melhores no tratamento da hiperalgesia térmica do que a alodinia mecânica – α-terpineol produziu os melhores resultados, seguido por β-cariofileno e γ-terpineno.

Estrutura moleculares do α-terpineol, γ-terpineno e β-cariofileno. Gráfico via ‘Avaliação dos terpenos β-cariofileno, α-terpineol e γ-terpineno no modelo de lesão de constrição crônica de camundongo de dor neuropática: possível envolvimento do receptor de canabinoide’ (Imagem: Springer Nature)

O γ-terpineno dá um cheiro cítrico à cannabis, o β-cariofileno dá um cheiro picante e apimentado, enquanto o α-terpineol dá um cheiro amadeirado.

Para o estudo, os pesquisadores compararam os resultados entre 156 camundongos geneticamente modificados e 36 não geneticamente modificados. Entre os camundongos geneticamente modificados, 78 deles não tinham receptores CB1, enquanto os outros 78 não tinham receptores CB2.

Pesquisas anteriores mostram que os receptores CB1 são abundantes nos sistemas nervosos periférico e central, enquanto os receptores CB2 estão localizados nas células imunológicas e em outras áreas do cérebro envolvidas na memória e no aprendizado, mas principalmente no hipocampo.

Para testar a relação entre os terpenos e a dor neuropática, os pesquisadores realizaram uma cirurgia para criar dor nas extremidades dos ratos.

Após a recuperação, os ratos foram injetados com cada terpeno e, diferentes testes de indução de dor foram feitos para testar a eficácia de cada um.

Os camundongos que não tinham receptores CB2 e receberam γ-terpineno mostraram a mesma diminuição na hipersensibilidade ao toque que aqueles com o receptor e que os camundongos não modificados geneticamente.

“Assim, parece que “esses achados sugerem que α-terpineol, β-cariofileno e γ-terpineno podem ter atividade diferencial do receptor de canabinóide e um perfil farmacológico que pode render analgésicos mais eficazes no futuro”, diz o estudo.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese