Dep. Marina Helou traça os caminhos do PL 1180/2019

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Dep. Estadual Marina Helou (Foto: Arquivo)

Por João R. Negromonte

Em bate papo com o portal Sechat, a Dep. Estadual em São Paulo pela Rede Sustentabilidade (REDE), Marina Helou, mulher, paulistana, 31, conta como foi os tramites da aprovação do PL 1180/2019, pelo colégio de comissões da ALESP na última quarta-feira dia 24/11.

Iniciativa do deputado Caio França, que apresentou e protocolou o projeto, institui a política estadual de fornecimento gratuito de derivados vegetais à base de cannabis, em caráter de excepcionalidade pelo Poder Executivo, nas unidades de saúde pública estadual e privada conveniada ao Sistema Único de Saúde – SUS.

O Dep. França, já muito atento em relação a necessidade de avançarmos a legislação que cria as possibilidades para que as pessoas tenham acesso à estes medicamentos cientificamente comprovados e que ampliam a qualidade de vida, juntamente comigo e outros envolvidos na pauta, estamos contribuindo para que essa discussão avance no estado de São Paulo.

Marina Helou

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Os caminhos

O PL, votado na assembleia legislativa de São Paulo na semana passada, após aprovação do regime de urgência, seguiu para o congresso de comissões, onde o encontro da Comissão de Constituição e Justiça, Saúde, Finanças, Orçamento e Planejamento, deram parecer positivo, deixando o projeto pronto para tramitar em Plenário.

Caso passe em plenário, o que ainda não aconteceu, o projeto segue para sanção do governador do estado, que pode sancionar ou vetar o PL. Se o veto for confirmado, o projeto volta pra assembleia, dando a oportunidade dos deputados derrubarem a interdição do Governador. Sendo aprovado, passa a valer assim que publicado no órgão oficial.

“Os medicamentos já são autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), porém, o que acontece hoje, é que esses medicamentos não são distribuídos pelo SUS. Dessa maneira, muitas pessoas que possuem essa receita ou entendem os benefícios desses remédios, judicializam, entram na justiça contra o estado e, na maioria das vezes ganham”, diz Helou que completa:

“Entretanto esse é um processo muito oneroso tanto para o governo, que tem que pagar os custos judiciais dessa ação e, caso perca, tem que arcar com os custos dos medicamentos para o autor do pedido, quanto para as pessoas, que tem que ter acesso a essa informação, conseguir um advogado e arcar com os custos de um processo contra o estado”.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Para a Deputada, precisamos justamente tirar essa oneração da justiça, para que as pessoas que tem direito a essa medicação, garantam o acesso a ele de forma gratuita e simplificada, sem passar por burocracias e gastos desnecessários.

“O financiamento do projeto, já está dentro do orçamento do SUS. Todos os gastos que o estado tem hoje com a judicialização desse processo, passaria ser canalizado para a distribuição dessa medicação para mais pessoas, ajudando assim quem precisa dessa medicação”, Conclui a Deputada.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Veja também

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER